sábado, 25 de março de 2017

25 de Março: dia da Anunciação


Annunciation_stained glass_Carl 




25 de Março

OBS: Caso esta festa caia na Semana Santa, transfere-se para a segunda-feira que segue ao Domingo in albis (primeiro domingo após a Páscoa).

Festejamos hoje aquela em que o Verbo se fez carne, na qual o Filho de Deus se uniu para sempre à nossa humanidade para nos fazer partilhar da sua divindade. O Mistério da Encarnação valeu à Maria o seu mais belo título de glória, o de Mãe de Deus. Pela mesma razão passou também a ser mãe dos cristãos, porque somos de Cristo e participamos da sua vida. veneremos a Virgem Maria e invoquemo-la como mãe de Cristo e Mãe nossa. A festa da Anunciação é muito antiga. Encontra-se no Ocidente no século VII, e no Oriente no século V, como festa da Conceição de Jesus. Tendo sido fixada no dia 25 de Março, nove meses antes do Natal, faz partes das festas relacionadas com o nascimento do Salvador. A admirável narrativa de São Lucas, no Evangelho, fornece o tema central da missa e do ofício. Os cristãos nunca se cansarão de ouvir cantar e de meditar este diálogo repleto da manifestação dos grandes desígnios de Deus, em que a Santíssima Virgem tem parte tão excepcional, aparecendo ao mesmo tempo tão humilde e tão grandiosa.

O fato da Anunciação da Virgem Maria está relacionada em Lucas, 1:26-38. O evangelista nos diz que, no sexto mês após a concepção de São João Batista, o anjo Gabriel foi enviado por Deus à Virgem Maria, em Nazaré, uma pequena cidade nas montanhas da Galiléia. Maria era da casa de David, e foi casada com São José, da mesma família real. Ela, no entanto, ainda não estava na casa de seu marido, mas ainda estava na casa de sua mãe. E o anjo após ter tomado a figura e forma de homem, entrou na casa e disse-lhe: "Ave, cheia de graça (a quem foi dada a graça, favorecida), o Senhor é convosco". Maria ouvindo as palavras de saudação não falava; ela ficou incomodado no espírito, já que ela não sabia a causa de sua vinda, nem o significado da saudação. E o anjo continuou e disse: "Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus. Eis que tu conceberás no teu ventre, e dará à luz um filho; e lhe porás o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo; eo Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó. E seu reino não terá fim. "A Virgem entendeu que se tratava da questão da vinda do Redentor. Mas, por que ela deveria ser eleita entre as mulheres para a esplêndida dignidade de ser a mãe do Messias, depois de ter jurado a sua virgindade a Deus? (Santo Agostinho). Mas cheia de medo e espanto, ela disse: "Como se fará isso, porque eu não conheço homem?"

O anjo para garantir-lhe que a sua virgindade seria poupada, respondeu: "O Espírito Santo virá sobre ti eo poder do Altíssimo te deve ofuscar. E, portanto, também o Santo que há de nascer de ti será chamado Filho de Deus. "Em sinal da verdade de sua palavra, ele deu a conhecer a concepção de São João, a gravidez milagrosa de sua prima agora velha e estéril : "E eis que o tua prima Isabel; ela também conceberá um filho e este é o sexto mês para aquela que era chamada estéril.: porque para Deus nada é impossível "Maria poderia ainda não ter compreendido totalmente o significado da mensagem celeste e como a maternidade poderia ser conciliada com seu voto de virgindade, mas agarrando-se às primeiras palavras do anjo e confiante na onipotência de Deus, ela disse: "Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra."

Desde 1889 que Holzmann e muitos autores protestantes têm tentado demonstrar que os versículos do Evangelho de São Lucas, 34, 35, pertinentes à mensagem da concepção através do Espírito Santo estão interpolados. Usener deriva a origem do "mito" de um culto a um herói pagão; mas Harnack tenta provar que é de origem judaica (Isaias, VII, 14, Eis que a virgem conceberá, etc.). Bardenhewer, no entanto, estabeleceu completamente a autenticidade do texto (p. 13). São Lucas pode ter adquirido esse conhecimento do evento através de um outro relato, escrito em aramaico ou hebraico. As palavras: "Bendita és tu entre as mulheres" (v. 28), são incorretas e tomadas do versículo 42, do relato da Visitação. Cardeal Caetano quis entender as palavras: "porque eu não conheço homem", não no sentido futuro, mas apenas no passado: até agora eu não conheço homem. Este erro manifesto, o qual contradiz as palavras do texto, foram universalmente rejeitados por todos os autores católicos. A tradição local de Nazaré dá a entender que o anjo encontrou Maria e a saudou junto à uma fonte, e quando ela fugiu dele com medo, ele a seguiu até a sua casa e lá continuou a sua mensagem. (Buhl, Geogr. V. Palaest., 1896.) O ano e o dia da Anunciação não pode ser determinado enquanto novos fatos não lançarem mais luz sobre o assunto. A presente data da festa (25 de Março) depende da data da festa mais antiga do Natal.


A Anunciação é o começo de Jesus em Sua natureza humana. Através de sua mãe Ele se torna um membro da raça humana. Se a virgindade de Maria, antes, durante e depois da concepção de seu divino Filho sempre foi considerada parte do depósito da fé, isto foi feito apenas em conta os fatos históricos e depoimentos. A Encarnação do Filho de Deus não em si mesma exigiu essa exceção das leis da natureza. Apenas uma questão de conveniência são dadas por ela, principalmente, a finalidade da Encarnação. Sobre a fundar uma nova geração de filhos de Deus, o Redentor não chega na forma de gerações terrenas: o poder do Espírito Santo entra no útero casto da Virgem, formando a humanidade de Cristo. Muitos santos padres (São. Jeronimo, Cirilo, Efrém, Agostinho) dizem que o consentimento de Maria era essencial para a redenção. Foi a vontade de Deus, São Tomás diz (Summa III: 30), que a redenção da humanidade deve depender do consentimento da Virgem Maria. Isso não significa que Deus, em Seus planos estava vinculado pela vontade de uma criatura, e que o homem não teria sido redimido se Maria não tivesse consentido. Significa apenas que o consentimento de Maria estava previsto desde toda a eternidade, e, portanto, foi recebido como essencial para a concepção de Deus.




 

Nenhum comentário:

Postar um comentário