terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Santa Luzia, Vírgem e Mártir

Resultado de imagem para santa luzia



Uma virgem e mártir de Siracusa, na Sicília, cuja festa é celebrada pelos latinos e gregos em 13 de dezembro.

 De acordo com a história tradicional, ela nasceu de pais ricos e nobres por volta do ano 283. Seu pai era de origem romana, mas a sua morte prematura a deixou dependente de sua mãe, cujo nome, Eutíquia, parece indicar que ela veio da região da Grécia.

Como muitos dos primeiros mártires, Luzia tinha consagrado sua virgindade a Deus, e ela dedicava todos os seus bens materiais ao serviço dos pobres. Sua mãe não era tão devota, mas numa ocasião se ofereceu, quando Luzia realizava seus propósitos generosos. A fama da virgem mártir Ágata (Águeda), que tinha sido executada cinquenta e dois anos antes na perseguição de Décio, estava atraindo visitantes à suas numerosas relíquias em Catania, a menos de cinquenta milhas de Siracusa, e muitos milagres eram operados por sua intercessão. PORTANTO Eutíquia foi convencida a fazer uma peregrinação a Catania na esperança de ser curada de uma hemorragia da qual ela vinha sofrendo há vários anos. Lá, ela foi de fato curada, e Luzia, valendo-se da oportunidade, convenceu sua mãe a deixá-la distribuir uma grande parte de suas riquezas entre os pobres.


A generosidade despertou a cobiça de um jovem indigno que era apaixonado por Luzia e fora rejeitado, e denunciou-a a Pascasio, o Governador da Sicília, por ela ser cristã. Foi no ano de 303, durante a perseguição feroz de Diocleciano. Ela foi, antes de tudo, condenada a sofrer a vergonha da prostituição; mas com a força de Deus, ela permaneceu imóvel, de modo que eles não conseguiam arrastá-la para o lugar de vergonha, como se ela estivesse presa ao chão. Colocaram-na em feixes de madeira e, em seguida, atearam-lhe fogo, e, novamente Deus a salvou as chamas nem a queimaram. Como tudo isso não havia dado certo, foi lhe aplicado o castigo mais cruel depois da degolação. Luzia não se convertia de jeito nenhum aos falsos deuses, e por isso um soldado, a mando do imperador, arrancou-lhe os olhos de sua face, e entregou os olhos em um prato a Luzia, mas milagrosamente ao entregar o prato com os olhos de Luzia, no rosto da mesma, nasceram-lhe dois lindos olhos, sãos, perfeitos e mais lindos do que os outros. Finalmente, ela encontrou sua morte pela espada em 13 de dezembro.

A grande veneração por Santa Luzia já era realizada pela igreja primitiva. Ela é uma das poucas santas cujo nome está presente no canôn de São Gregório, e há orações especiais e antífonas para ela em seu “Sacramentary” e “Antiphonary”. Ela é comemorada no antigo Martirológio Romano St. Adelmo (d. 709) é o primeiro escritor quem usa os Atos dela para dar um relato completo de sua vida e  morte. Isto ele faz em prosa no “Tractatus de Laudibus Virginitatis” e, novamente, no verso, no poema “De Laudibus Virginum”. Seguindo-o, o Venerável Beda insere a história em seu Martirológio.

OBS: As virgens naquele tempo tinham mais medo de perder a virgindade do que uma cova cheia de leões


Fonte: Enciclopédia Católica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário