quinta-feira, 29 de junho de 2017

São Pedro. Príncipe dos Apóstolos

Resultado de imagem para são pedro

 

Jesus então lhe disse: Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus.
E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.(São Mateus 16:17-19)


Até a Ascensão de Cristo

Betsaida

O verdadeiro e original nome de São Pedro era Simão, por vezes, ocorre na forma de Symeon. (At 15:14; 2 Peter 1: 1). Ele era o filho de Jonas e nasceu em Betsaida (João 01:42, 44), uma cidade no Lago de Genesaré. O apóstolo André era seu irmão, e o apóstolo Filipe veio da mesma cidade.

Cafarnaum

Simão estabeleceu-se em Cafarnaum, onde ele estava vivendo com sua sogra em sua própria casa (Mateus 08:14; Lucas 04:38) no início do ministério público de Cristo (dC 26-28). Simão foi casado, e, de acordo com Clemente de Alexandria (Estromas, III, VI), teve filhos. O mesmo escritor se refere à tradição que a esposa de Pedro sofreu o martírio (ibid., VII, XI ed. Cit., III, 306). Em relação a estes fatos adotado por Eusébio (História da Igreja III.31) de Clemente, a antiga literatura cristã que chegou até nós é silenciosa. Simão perseguido em Cafarnaum ganhava a vida como pescador no lago Genesaré, possuindo seu próprio barco (Lucas 5: 3).

Pedro se une a Nosso Senhor

Como tantos de seus contemporâneos judeus, ele foi atraído pela pregação de penitência de João Batista e foi, com seu irmão André, entre os discípulos de João em Betânia, na margem oriental do Jordão. Quando, depois do Sinédrio tê-los enviados pela segunda vez para o Batista, este último, apontado para Jesus que passava, disse: “Eis o Cordeiro de Deus”, André e outro discípulo seguiu o Salvador à Sua residência e permaneceu com ele um dia.

Mais tarde, encontrando seu irmão Simão, André disse: “Achamos o Messias”, e trouxe-o a Jesus, que, olhando para ele, disse: “Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas, que é Pedro”. Já nesse primeiro contato, o Salvador predisse a mudança de nome de Simão para Cefas (kephas, aramaico Kipha, rocha), que é traduzido Petros (latim, Petrus) uma prova de que Cristo já tinha enxergado Simão com especial atenção. Mais tarde, provavelmente no momento da sua chamada definitiva para o Apostolado com os outros onze apóstolos, Jesus deu a Simão o nome de Cefas (Petrus), após o qual ele era geralmente chamado Pedro, especialmente por Cristo por ocasião solene depois da profissão de fé de Pedro (Mt 16,18; cf. abaixo). Os Evangelistas combinam muitas vezes os dois nomes, enquanto São Paulo usa o nome de Cefas.

Pedro se torna um Discípulo

Após a primeira reunião de Peter com os outros primeiros discípulos, permaneceu com Jesus por algum tempo, acompanhando-o para a Galileia (casamento em Caná), Judéia e Jerusalém, e através da Samaria voltaram para a Galileia (João 2-4). Aqui Pedro retomou a sua ocupação de pescador por um curto tempo, mas logo recebeu a chamada definitiva do Salvador para se tornar um dos seus discípulos permanentes. Pedro e André foram chamados para suas vocações quando Jesus se dirigiu a eles: “Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens”. Na mesma ocasião, os filhos de Zebedeu foram chamados (Mateus 4: 18-22; Marcos 1: 16-20; Lucas 5: 1-11; aqui é assumido que Lucas se refere à mesma ocasião que os outros evangelistas). A partir daí Pedro permaneceu sempre próximo de Nosso Senhor. Depois de pregar o Sermão da Montanha e curar o filho do centurião em Cafarnaum, Jesus foi à casa de Pedro e curou a mãe de sua esposa que estava de cama com febre (Mateus 8: 14-15; Marcos 1: 29-31). Um pouco mais tarde Cristo escolheu seus doze apóstolos como seus discípulos constantes na pregação do Reino de Deus.


Proeminência crescente entre os doze

Entre os Doze, Pedro logo se tornou visível. Apesar do caráter irresoluto, se agarra com a maior fidelidade, firmeza de fé, e íntimo no amor ao Salvador; demonstra tanto em palavra como em ato, e está cheio de zelo e entusiasmo, embora, momentaneamente sofre facilmente influências externas e se intimida pelas dificuldades. O mais proeminente dos Apóstolos torna-se na narrativa Evangélica, o mais notável fazendo de Pedro o primeiro em destaque entre eles. Na lista dos Doze na ocasião de seu solene chamado ao apostolado, não só Pedro está sempre à frente, mas o sobrenome Petrus dado por Cristo é especialmente enfatizado (Mateus 10: 2): “Duodecim autem Apostolorum nomina haec: Primus qui dicitur Petrus Simon”; ... Marcos 3: 14-16: “Et fecit ut Essent duodecim cum illo, et ut eos mitteret Praedicare et imposuit Simoni nomen Petrus ...”; Lucas 6: 13-14: “Et cum morre ESSET factus, vocavit Suos discípulos, et elegit duodecim ex ipsis (quos et Apostolos nominavit): Simonem, Quem cognominavit Petrum ...” Em várias ocasiões, Pedro fala em nome dos outros Apóstolos (Mateus 15:15; 19:27; Lucas 12:41, etc.). Quando as palavras de Cristo são dirigidas a todos os Apóstolos, Pedro responde em nome de todos (por exemplo, Mateus 16:16). Frequentemente o Salvador se dirige especialmente a Pedro (Mateus 26:40; Lucas 22:31, etc.).

Muito característica é a expressão da verdadeira fidelidade a Jesus quando Pedro dirigiu a Ele em nome dos outros apóstolos. Cristo, depois de ter falado do mistério da recepção do seu Corpo e Sangue (João 6:22.), e muitos dos seus discípulos o deixarem, perguntou aos Doze se O deixariam também; a resposta de Pedro vem imediatamente: “Senhor, para quem iremos só Tu tens as palavras da vida eterna e nós acreditamos e sabemos que Tu és o Santo de Deus.” (Vulgata “tu és o Cristo, o Filho de Deus”). O próprio Cristo inequivocamente chama Pedro à precedência especial e ao primeiro lugar entre os apóstolos, e designa-o, em várias ocasiões, para tal. Pedro era um dos três Apóstolos (com Tiago e João) que estavam com Cristo em certas ocasiões especiais; o ressuscitamento da filha de Jairo (Marcos 5:37; Lc 8.51); na Transfiguração de Cristo (Mateus 17: 1; Marcos 9: 1, Lucas 9:28), da Agonia no Horto do Getsêmani (Mateus 26:37; Marcos 14:33). Além disso, em várias ocasiões Cristo favoreceu-o acima de todos os outros; Entra no barco de Pedro no Lago Genesaré e prega para a multidão na praia (Lucas 5: 3); quando Ele milagrosamente andou sobre as águas, Ele chamou Pedro para vir até Ele (Mateus 14:28); Mandou Pedro para o lago para capturar o peixe em cuja boca Pedro encontrou moeda a pagar como tributo (Mateus 17:24).

Pedro se torna cabeça dos Apóstolos

De forma especialmente solene, Cristo acentuou a precedência de Pedro entre os Apóstolos, quando, depois de Pedro o ter reconhecido como Messias, prometeu que seria chefe de Seu rebanho. Jesus estava morando com os Seus Apóstolos nas proximidades de Cesaréia de Filipe, envolvido em Sua obra de salvação. Como a vinda de Cristo combinou tão pouco em poder e glória com as expectativas do Messias, muitas visões diferentes sobre Ele eram faladas. Ao viajar junto com os Apóstolos, Jesus lhes pergunta: “Quem os homens dizem que o Filho do homem é?” Os apóstolos responderam: “Alguns, João Batista, e outros, Elias, outros Jeremias, ou um dos profetas”. Jesus disse a eles: “Mas quem vocês dizem que eu sou?” Simão disse: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. E Jesus, respondendo, disse-lhe: “Bem-aventurado, Simão BarJona: porque não foi a carne nem o sangue que revelou a ti, mas meu Pai que está nos céus. E eu te digo: que tu és Pedro [Kipha, Rocha] e sobre esta rocha [Kipha] vou construir minha igreja [ekklesian], e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. E eu te darei as chaves do reino dos céus. E tudo o que você ligar na Terra, será também ligado no céu; e tudo o que desligares na terra, será desligado também no céu”. Então ele ordenou a seus discípulos que não deveriam dizer a ninguém que ele era Jesus o Cristo (Mateus 16: 13-20; Marcos 8: 27-30; Lucas 9: 18-21).

Pela palavra “rocha”, o Salvador não pode ter falado para si mesmo, mas somente a Pedro, como é muito mais evidente no aramaico, na qual a mesma palavra (Kipha) é usada para “Pedro” e “Rocha”. Sua declaração, em seguida, admite apenas uma explicação, a saber: que Ele deseja fazer de Pedro a cabeça de toda a comunidade daqueles que creram nele como verdadeiro Messias; Que através deste fundamento (Pedro) o Reino de Cristo seria invencível; Que a orientação espiritual dos fiéis foi colocada nas mãos de Pedro como representante especial de Cristo. Este significado torna-se tanto mais claro quando lembramos que as palavras “bind” e “loose” não são metafóricas, mas termos jurídicos judaicos. Também é claro que a posição de Pedro entre os outros apóstolos e na comunidade cristã foi a base para o Reino de Deus na terra, isto é, a Igreja de Cristo. Pedro foi pessoalmente eleito como chefe dos apóstolos pelo próprio Cristo. Este fundamento criado para a Igreja pelo seu fundador não poderia desaparecer com a pessoa de Pedro, mas tinha como objetivo continuar  (como mostra a história real) no primado da Igreja Romana e seus bispos.

Inteiramente inconsistente e, por si só, insustentável é a posição dos protestantes que (como Schnitzer nos últimos tempos) afirmam que o primado dos bispos romanos não pode ser deduzido da precedência que Pedro mantinha entre os apóstolos. Assim como a atividade essencial dos Doze Apóstolos na construção e extensão da Igreja não desapareceu completamente com suas mortes. Certamente a Primazia Apostólica de Pedro não desapareceu completamente. Como pretendido por Cristo, deve ter continuado a sua existência e desenvolvimento de forma adequada ao organismo eclesiástico, assim como o cargo dos apóstolos continuou de forma apropriada.

As objeções foram levantadas contra a autenticidade da redação da passagem, mas o testemunho unânime dos manuscritos, as passagens paralelas nos outros Evangelhos e a crença fixa da literatura pré-Constantina fornecem as provas mais seguras da autenticidade e do estado inalterado do texto de Mateus.

Sua dificuldade com a paixão de Cristo

Apesar de sua fé firme em Jesus, Pedro até agora não tinha conhecimento claro da missão e do trabalho do Salvador. Os sofrimentos de Cristo como contraditórios com a concepção mundana do Messias, eram inconcebíveis para ele, e sua concepção errônea ocasionava  uma repreensão aguda de Jesus (Mateus 16: 21-23, Marcos 8: 31-33). O caráter irresoluto de Pedro, que continuou, apesar de sua fidelidade entusiasta ao seu Mestre, foi claramente revelado em conexão com a Paixão de Cristo. O Salvador já havia dito a ele que Satanás o havia desejado para que ele pudesse peneirá-lo como trigo. Mas Cristo rogou por ele para que sua fé não desfalecesse, e, uma vez convertido, ele confirmasse seus irmãos (Lucas 22: 31-32). A certeza de Pedro de que ele estava pronto para acompanhar o seu Mestre na prisão e na morte, provocou a predição de Cristo de que Pedro o negaria (Mateus 26: 30-35; Marcos 14: 26-31; Lucas 22: 31-34; João 13:33 -38).

Quando Cristo procedeu a lavar os pés de Seus discípulos antes da Última Ceia, e veio primeiro a Pedro, este último protestou, mas, declarando que, de outra forma, não merecia ter nenhuma parte com Ele, disse imediatamente: “Senhor, não só meus pés, mas também minhas mãos e minha cabeça” (João 13: 1-10). No jardim de Getsêmani, Pedro teve que se submeter à repreensão do Salvador de que ele tinha dormido como os outros enquanto seu Mestre sofria uma angústia mortal (Marcos 14:37). Na prisão de Jesus, Pedro, numa explosão de raiva, queria defender seu Mestre pela força, mas foi proibido fazê-lo. Ele primeiro fugiu com os outros Apóstolos (João 18: 10-11; Mateus 26:56); Depois, ele seguiu seu Senhor capturado para o pátio do Sumo Sacerdote, e negou a Cristo, afirmando explicitamente e jurando que não O conhecia (Mateus 26: 58-75; Marcos 14: 54-72; Lucas 22: 54-62 João 18: 15-27). Esta negação era, naturalmente, não devido a um lapso de fé interior em Cristo, mas o medo e covardia exterior. Sua tristeza era, portanto, tanto maior, quando, depois que seu Mestre havia virado o olhar para ele, ele reconheceu claramente o que havia feito.

O Senhor ressuscitado confirma a precedência de Pedro

Apesar dessa fraqueza, sua posição como chefe dos Apóstolos foi mais tarde confirmada por Jesus, e sua precedência não foi menos notável após a ressurreição do que antes. As mulheres, que foram as primeiras a encontrar o túmulo de Cristo vazio, receberam do anjo uma mensagem especial para Pedro (Marcos 16: 7). Para ele, sem os apóstolos, Cristo apareceu no primeiro dia após a ressurreição (Lucas 24:34; 1 Coríntios 15: 5). Mas, o mais importante de tudo, quando Ele apareceu no Lago de Genesaré, Cristo renovou a Pedro sua missão especial para alimentar e defender Seu rebanho, depois de Pedro ter afirmado três vezes seu amor especial por seu Mestre (João 21: 15-17). Em conclusão, Cristo previu a morte violenta que Pedro teria de sofrer e, assim, convidou-o a segui-lo de maneira especial (João 21: 20-23). Assim, Pedro foi chamado e treinado para o Apostolado e vestido com a primazia dos Apóstolos, que exerceu de forma inequívoca após a ascensão de Cristo ao céu.

São Pedro em Jerusalém e Palestina após a Ascensão

Nossa informação sobre a primeira atividade apostólica de São Pedro em Jerusalém, Judeia e os distritos que se estendem para o norte até a Síria é derivada principalmente da primeira parte dos Atos dos Apóstolos e é confirmada por declarações paralelas incidentalmente nas Epístolas de São Paulo.

Entre a multidão de Apóstolos e discípulos que, após a ascensão de Cristo ao céu desde o Monte das Oliveiras, retornaram a Jerusalém para aguardar o cumprimento de Sua promessa de enviar o Espírito Santo, Pedro é imediatamente identificado como o líder de todos, e agora é constantemente reconhecido como o chefe da comunidade cristã original em Jerusalém. Ele toma a iniciativa na nomeação para o Colégio Apostólico de outra testemunha da vida, morte e ressurreição de Cristo para substituir Judas (Atos 1: 15-26). Após a descida do Espírito Santo na festa de Pentecostes, Pedro, como cabeça dos Apóstolos, profere o primeiro sermão público  proclamando a vida, a morte e a ressurreição de Jesus e ganha um grande número de judeus como conversos à Comunidade Cristã (Atos 2: 14-41). Primeiro dos Apóstolos, ele operou um milagre público, quando, com João, subiu ao templo e curou o coxo no Portão do Templo. Para as pessoas que se apinhavam sobre os dois apóstolos, ele prega um longo sermão no alpendre de Salomão e converte mais pessoas ao rebanho de crentes (Atos 3: 1-4: 4).

Nos exames subsequentes dos dois Apóstolos perante o Conselho Supremo Judaico, Pedro defende de forma incansável e impressionante a causa de Jesus e a obrigação e liberdade dos Apóstolos de pregar o Evangelho (Atos 4: 5-21). Quando Ananias e Safira tentam enganar os apóstolos e o povo, Pedro aparece como juiz de sua ação, e Deus executa a sentença do castigo adotada pelo apóstolo causando a morte súbita dos dois culpados (Atos 5: 1-11). Por numerosos milagres, Deus confirma a atividade apostólica dos confessores de Cristo, e aqui também há uma menção especial a Pedro, uma vez que está registrado que os habitantes de Jerusalém e as cidades vizinhas levavam seus doentes nas suas camas para as ruas para que a sombra de Pedro pudesse passar por eles e assim serem curados (Atos 5: 12-16). O número cada vez maior de fiéis fez com que o Conselho Supremo Judeu adotasse novas medidas contra os apóstolos, mas “Pedro e os apóstolos” respondem que “deveriam obedecer a Deus e não aos homens” (Atos 5:29). Não só na própria Jerusalém Pedro trabalhou no cumprimento da missão que lhe foi confiada pelo seu Mestre. Ele também manteve conexão com as outras comunidades cristãs na Palestina, e pregou o Evangelho tanto lá quanto nas terras situadas mais ao norte. Quando Filipe, o diácono, ganhou um grande número de crentes na Samaria, Pedro e João foram delegados para prosseguir para lá, de Jerusalém, para organizar a comunidade e invocar o Espírito Santo para descer sobre os fiéis. Pedro aparece uma segunda vez como juiz, no caso do mago Simão, que desejava comprar dos apóstolos o poder que ele também poderia invocar o Espírito Santo (Atos 8: 14-25). De volta a Jerusalém, os dois Apóstolos pregaram as Boas Novas do Reino de Deus. Posteriormente, após a partida de Paulo de Jerusalém e a conversão em Damasco, as comunidades cristãs na Palestina foram deixadas em paz pelo Conselho Judaico.

Pedro agora realizou uma extensa turnê missionária, que o levou às cidades marítimas, Lida, Jope e Cesareia. Em Lida, ele curou a Eneias o paralítico, em Jope ele ressuscitou a Tabita dentre os mortos; E em Cesareia, instruída por uma visão que ele teve em Jope, ele batizou e recebeu na Igreja os primeiros cristãos não-judeus, o centurião Cornélio e seus parentes (Atos 9: 31-10: 48). No retorno de Pedro a Jerusalém um pouco depois, os estritos cristãos judeus, que consideravam a observância completa da lei judaica como vinculativa para todos, perguntaram por que ele havia entrado e comido na casa dos incircuncisos. Pedro conta de sua visão e defende sua ação, que foi ratificada pelos apóstolos e os fiéis em Jerusalém (Atos 11: 1-18).

Uma confirmação da posição concedida a Pedro por Lucas, nos Atos, é concedida pelo testemunho de São Paulo (Gálatas 1: 18-20). Após sua conversão e três anos de residência na Arábia, Paulo veio a Jerusalém para ver Pedro. Aqui, o Apóstolo dos gentios designa claramente Pedro como o chefe autorizado dos apóstolos e da Igreja cristã primitiva. A longa residência de Pedro em Jerusalém e na Palestina logo chegou ao fim. Herodes Agripa I começa (42-44 DC) uma nova perseguição à Igreja em Jerusalém; Após a execução de Tiago, filho de Zebedeu, este governante lança Pedro na prisão, com a intenção de tê-lo e executa-lo depois que a Páscoa judaica acabasse. Pedro, no entanto, foi libertado de maneira milagrosa e, seguindo para a casa da mãe de João Marcos, onde muitos dos fiéis estavam reunidos em oração, informou-os sobre a libertação das mãos de Herodes, enviou-os para comunicarem o Fato para Tiago e os irmãos, e depois deixou Jerusalém para “outro lugar” (Atos 12: 1-18).

Viagens missionárias no Oriente; Conselho dos Apóstolos

São Lucas não nos diz para onde Pedro foi depois da libertação da prisão em Jerusalém. A partir de declarações incidentais, sabemos que posteriormente fez extensas excursões missionárias no Oriente, embora não tenhamos nenhuma pista da cronologia de suas jornadas. É certo que ele permaneceu por um tempo em Antioquia; Ele pode até ter voltado várias vezes. A comunidade cristã de Antioquia foi fundada por judeus cristianizados que foram expulsos de Jerusalém pela perseguição (Atos 11:19). A residência de Pedro entre eles é comprovada pelo episódio sobre a observância da lei cerimonial judaica, mesmo pelos pagãos cristianizados, relacionados por São Paulo (Gálatas 2: 11-21). Os principais apóstolos em Jerusalém - as “colunas”, Pedro, Tiago e João - aprovaram sem reservas o apostolado de São Paulo aos gentios, enquanto eles próprios pretendiam trabalhar principalmente entre os judeus. Enquanto Paulo estava morando em Antioquia (a data não pode ser determinada com precisão), São Pedro veio e se misturou livremente com os cristãos não-judeus da comunidade, frequentando suas casas e compartilhando suas refeições. Mas quando os judeus cristianizados chegaram em Jerusalém, Pedro, temendo que esses rígidos observadores da lei cerimonial judaica ficassem escandalizados, e sua influência com os cristãos judeus estivesse em perigo, evitava, em seguida, comer com os incircuncisos.

Sua conduta causou uma grande impressão aos outros cristãos judeus em Antioquia, de modo que até Barnabé, o companheiro de São Paulo, agora evitava comer com os pagãos cristianizados. Como essa ação se opunha totalmente aos princípios e prática de Paulo, e poderia levar à confusão entre os pagãos convertidos, este apóstolo dirigiu-se a uma censura pública a São Pedro, porque sua conduta parecia indicar o desejo de obrigar os convertidos pagãos a se tornarem Judeus e aceitar a circuncisão e a lei judaica. O incidente inteiro é outra prova da posição autorizada de São Pedro na Igreja primitiva, já que seu exemplo e conduta foram considerados decisivos. Mas Paulo, que com razão viu a inconsistência na conduta de Pedro e dos cristãos judeus, não hesitou em defender a imunidade dos pagãos convertidos à Lei judaica. Sobre a atitude subsequente de Pedro sobre esta questão, São Paulo não nos fornece informações explícitas. Mas é altamente provável que Pedro tenha ratificado a afirmação do apóstolo dos gentios e, em seguida, conduziu-se para os pagãos cristianizados como em primeiro lugar. Como principais opositores de seus pontos de vista a este respeito, Paulo nomeia e combate em todos os seus escritos apenas os cristãos judeus extremos que vêm de Jerusalém. Embora a data desta ocorrência, seja antes ou depois do Conselho dos Apóstolos, não pode ser determinada, provavelmente ocorreu após o conselho. A tradição posterior, que existia já no final do segundo século (Origen, "Hom. Vi in Lucam", Eusébio, História da Igreja III.36), que Pedro fundou a Igreja de Antioquia, indica o fato de que ele trabalhou por um longo tempo lá, e também talvez tenha habitado lá no final de sua vida e, em seguida, nomeou Evodrius, o primeiro da linha dos bispos antioquianos, chefe da comunidade. Esta última visão melhor explicaria a tradição que remete o fundamento da Igreja de Antioquia para São Pedro.

Também é provável que Pedro tenha prosseguido os seus trabalhos apostólicos em vários distritos da Ásia Menor, pois dificilmente se pode supor que todo o período entre a libertação da prisão e o Conselho dos Apóstolos tenha sido gasto ininterruptamente numa cidade, seja Antioquia, Roma ou em outro lugar. E, como ele posteriormente abordou a primeira de suas Epístolas aos fiéis nas Províncias do Ponto, da Galácia, da Capadócia e da Ásia, pode-se razoavelmente assumir que trabalhou pessoalmente, pelo menos, em certas cidades dessas províncias dedicando-se principalmente à Diáspora. A Epístola, no entanto, é de caráter geral e dá pouca indicação de relações pessoais com as pessoas a quem é dirigida. A tradição relatada por Dom Dionísio de Corinto (em Eusébio, História da Igreja II.25) em sua carta à Igreja Romana sob o Papa Soter (165-74), que tanto Pedro (como Paulo) habitou em Corinto e implantaram a Igreja lá. Que São Pedro empreendeu diversas jornadas apostólicas é claramente estabelecida pela observação geral de São Paulo em 1 Coríntios 9: 5, referente ao “resto dos apóstolos , os os irmãos [primos] do Senhor e Cephas” que estavam viajando em exercício do seu Apostolado.

Pedro retornou ocasionalmente à Igreja cristã original de Jerusalém, cuja orientação foi confiada a São Tiago após a partida do Príncipe dos Apóstolos (A.D. 42-44). A última menção a São Pedro nos Atos (15: 1-29, cf. Gálatas 2: 1-10) ocorre no relatório do Concílio dos Apóstolos na ocasião de uma visita tão passageira. Em consequência do problema causado por extremistas Cristãos Judeus a Paulo e Barnabé em Antioquia, a Igreja desta cidade enviou esses dois Apóstolos com outros a Jerusalém para garantir uma decisão definitiva sobre as obrigações dos pagãos convertidos. Na discussão e decisão desta importante questão, Pedro naturalmente exerceu uma influência decisiva. Quando uma grande divergência de pontos de vista se manifestou na assembleia, Pedro deu a palavra definitiva. Muito antes, de acordo com o testemunho de Deus, anunciou o Evangelho aos pagãos (conversão de Cornélio e sua casa); Por que, portanto, tentar colocar o jugo judeu nas costas dos pagãos convertidos? Depois que Paulo e Barnabé relataram como Deus havia feito entre os gentios através deles, Tiago, o principal representante dos Cristãos Judeus, adotou a visão de Pedro e, de acordo com isso, fez propostas que foram expressas em uma encíclica aos pagãos convertidos.

As ocorrências em Cesareia e Antioquia e o debate no Concílio de Jerusalém mostram claramente a atitude de Pedro em relação aos convertidos do paganismo. Como os outros onze Apóstolos originais, considerou-se chamado de pregar a Fé em Jesus primeiro entre os judeus (Atos 10:42), de modo que o povo escolhido de Deus possa compartilhar a salvação em Cristo. A visão em Jope e a efusão do Espírito Santo sobre o pagão convertido Cornélio e seus familiares determinaram Pedro a admitir estes imediatamente na comunidade dos fiéis sem impor-lhes a Lei judaica. Durante suas jornadas apostólicas fora da Palestina, ele reconheceu na prática a igualdade dos convertidos gentios e judeus, como mostra sua conduta original em Antioquia. Seu distanciamento dos conversos gentios, por consideração dos Cristãos Judeus de Jerusalém, não era de modo algum um reconhecimento oficial dos pontos de vista dos judaizantes extremos, que eram tão opostos a São Paulo. Isto é estabelecido de forma clara e incontestável por sua atitude no Concílio de Jerusalém. Entre Pedro e Paulo não havia diferença dogmática na concepção de salvação para cristãos judeus e gentios. O reconhecimento de Paulo como o Apóstolo dos gentios (Gálatas 2: 1-9) foi inteiramente sincero e exclui toda questão de uma divergência fundamental de pontos de vista. São Pedro e os outros Apóstolos reconheceram os convertidos do paganismo como irmãos cristãos em pé de igualdade; Cristãos judeus e gentios formaram um único Reino de Cristo. Se, portanto, Pedro dedicou a parte preponderante de sua atividade apostólica aos judeus, isso surgiu principalmente de considerações práticas e da posição de Israel como o povo escolhido. A hipótese de Baur de correntes opostas entre “Petrinismo” e “Paulinismo” na Igreja primitiva é absolutamente insustentável.

Atividade e morte em Roma; local de sepultamento

É um fato histórico indiscutível que São Pedro trabalhou em Roma na fase final de sua vida, terminou sua peregrinação terrestre pelo martírio. Quanto à duração da sua atividade apostólica na capital romana a continuidade ou não da sua residência lá, os detalhes e sucesso de seus trabalhos, bem como a cronologia de sua chegada e morte, todas essas questões são incertas e só podem ser resolvidas em hipóteses mais ou menos bem-fundadas. Esse é o fato essencial, Pedro morreu em Roma: isto constitui o fundamento histórico da reivindicação dos Bispos de Roma à primazia Apostólica de Pedro.
A residência e morte de São Pedro em Roma são verificadas como fatos históricos por uma série de testemunhos distintos que se estende desde o fim do primeiro para o final do segundo séculos.

·         Que a maneira, e, portanto, o lugar da sua morte, deve ter sido conhecida nos círculos cristãos amplamente espalhados no final do primeiro século, é claro a partir da observação introduzida pelo Evangelho de São João que diz respeito a profecia de Cristo que Pedro seria obrigado a ir para onde não queria – “e ISTO ele disse, significando que morte teria para glorificar a Deus” (João 21: 18-19). Tal observação pressupõe em leitores do Quarto Evangelho um conhecimento da morte de Pedro.

·         A Primeira Epístola de São Pedro foi escrita, sem dúvida, de Roma, desde a saudação no final que se lê: “A Igreja que está na Babilônia, saúda-vos assim o faz ao meu filho Marcos” (5:13). Babilônia aqui deve ser identificada com a capital romana; desde a Babilônia sobre o Eufrates, que estava em ruínas, ou, Nova Babilônia (Selêucia) no Tigre, ou Babilônia egípcia perto de Memphis, ou Jerusalém não podem ter esse significado, a referência deve ser a Roma, a única cidade que é chamada Babilônia em outras partes da antiga literatura Cristã (Apocalipse 17: 5; 18:10).

·         Do Bispo Papias de Hierápolis a Clemente de Alexandria, ambos apelam para o testemunho dos antigos presbíteros (ou seja, os discípulos dos Apóstolos), aprendemos que Marcos escreveu seu Evangelho em Roma a pedido dos cristãos romanos que desejavam um memorial escrito da doutrina pregada a eles por São Pedro e seus discípulos (Eusébio, História da Igreja II.15, 3,40, 6,14); isto é confirmado por Santo Irineu (Contra as Heresias 3.1). Em conexão com esta informação relativa ao Evangelho de São Marcos, Eusébio, contando com uma fonte anterior talvez, diz que Pedro descreveu Roma figurativamente como a Babilônia descrita em sua primeira epístola.

·         Outro testemunho sobre o martírio de Pedro e Paulo é fornecido por Clemente de Roma em sua Epístola aos Coríntios (escrito entre 95-97 Dc), em que ele diz (capítulo 5): “Através de zelo e astúcia os maiores e mais justos suportes [da Igreja] sofreram perseguição e pelejaram até a morte. Vamos colocar diante de nossos olhos os bons apóstolos - São Pedro, que, em consequência do zelo, não um sofreu uma ou duas, mas, numerosas misérias, e, tendo assim dado testemunho (martyresas), ganhou a merecida glória”. Então ele menciona Paulo no número dos eleitos, que estava reunidos com os outros e sofreu o martírio “entre nós” (en hemin, ou seja, entre os romanos, a expressão também significa no capítulo 4). Ele está falando, sem dúvida, como toda a passagem prova, da perseguição de Nero, e, portanto, refere-se o martírio de Pedro e Paulo nessa época.

·         Em Sua carta escrita no início do segundo século (antes de 117), enquanto está a ser levado a Roma para o martírio, o venerável bispo Inácio de Antioquia esforça-se de todos os meios para conter os cristãos romanos para lutar por seu perdão, comentando: “Eu não estou no comando de vocês como Pedro e Paulo: eles eram apóstolos, enquanto eu sou apenas um cativo” (Epístola aos Romanos 4). O significado desta observação deve ser que os dois Apóstolos trabalharam pessoalmente em Roma, e pregaram com autoridade o Evangelho lá.

·         O Bispo Dionísio de Corinto, em sua carta à Igreja romana, no tempo do Papa Sotero (165-74), diz: “Você tem, portanto, pela sua urgente exortação, confirmado a semeadura de Pedro e Paulo em Roma e Corinto. Por ambos plantarem a semente do Evangelho também em Corinto, e juntos nos instruíram, assim como eles também pregaram nesse mesmo lugar na Itália e, ao mesmo tempo sofreram o martírio”(em Eusébio, História da Igreja II.25).
·         Irineu de Lyon, nativo da Ásia Menor e discípulo de Policarpo de Esmirna (um discípulo de São João), passou um tempo considerável em Roma pouco depois de meados do século II, e depois procedeu a Lyon, onde se tornou bispo Em 177; A igreja mais famosa e mais antiga, conhecida por todos, fundada e organizada em Roma pelos dois mais gloriosos Apóstolos, Pedro e Paulo (Contra as Heresias 3.3 Cf. 3.1). Assim, ele faz uso do fato universalmente conhecido e reconhecido da atividade apostólica de Pedro e Paulo em Roma, para encontrar nela uma prova de tradição contra os hereges.

·         Em suas “Hypotyposes” (Eusébio, História da Igreja IV.14), Clemente de Alexandria, professor na escola de catequese daquela cidade cerca de 190 dC, diz sobre a força da tradição dos presbíteros: “Depois de Pedro ter anunciado a Palavra de Deus em Roma e pregado o Evangelho no espírito de Deus, a multidão de ouvintes pediu a Marcos que acompanhasse Pedro em todas as suas jornadas, para escrever o que os apóstolos tinham pregado”.

·         Como Irineu, Tertuliano apela, em seus escritos contra os hereges, à prova oferecida pelos trabalhos apostólicos de Pedro e Paulo em Roma da verdade da tradição eclesiástica. Em De Præscriptione 36, ele diz: “Se você estiver perto da Itália, você tem Roma, onde a autoridade está sempre ao alcance. Quão afortunada é esta Igreja pela qual os Apóstolos derramaram todo o seu ensinamento com o seu sangue, onde Pedro imitou a Paixão Do Senhor, onde Paulo foi coroado com a morte de João”. Em Scorpiace 15, ele também fala da crucificação de Pedro. “A fé incipiente que Nero primeiro fez sangrenta em Roma. Ali, Pedro estava cingido por outro, já que ele estava ligado à cruz”. Como ilustração de que foi imaterial que o batismo em água é administrado, ele afirma em seu livro (Sobre o Batismo 5) que não há “diferença entre o que João batizou no Jordão e aquele com o qual Pedro batizou no Tibre”; E contra Marcion, invoquei o testemunho dos cristãos romanos, “a quem Pedro e Paulo legaram o evangelho selado com o sangue” (Against Marcion 4.5).
·         O romano Caius, que morava em Roma no tempo do Papa Zeferino (198-217), escreveu em seu “Diálogo com Proclus” (em Eusébio, História da Igreja II.25) dirigido contra os montanistas: “Mas eu posso mostrar os Troféus dos Apóstolos. Se você quer ir ao Vaticano ou à estrada para Ostia, você encontrará os troféus daqueles que fundaram esta Igreja”. Por troféus Eusébio entende o túmulo dos apóstolos, mas sua visão é contrariada por investigadores modernos que acreditam que seja o local de execução. Para nosso propósito, é irrelevante qual opinião é correta, o testemunho mantém seu valor total em ambos os casos. De qualquer forma, o local de execução e o enterro de ambos estavam próximos; São Pedro, que foi executado no Vaticano, também teve seu enterro lá. Eusébio também se refere à “inscrição dos nomes de Pedro e Paulo, que foram preservados até os dias de hoje” (isto é, em Roma).

·         Havia, assim, em Roma, um antigo memorial epigráfico que comemorava a morte dos apóstolos. O aviso obscuro no Fragmento Muratoriano (“Luke optime theofile conprindit quia sub praesentia eius singula gerebantur sicuti et semote passionem petri evidenter declarat”, ed Preuschen, Tübingen, 1910, p.29) também pressupõe uma antiga tradição definida sobre a morte de Pedro em Roma.

Em oposição a este testemunho distinto e unânime da cristandade primitiva, alguns historiadores protestantes tentaram, nos últimos tempos, deixar a residência e morte de Pedro em Roma como lendária. Essas tentativas resultaram em falhas absurdas. Afirmou-se que a tradição relativa à residência de Pedro em Roma originou-se pela primeira vez em círculos Ebionite e fez parte da Lenda de Simão o Mago, na qual Paulo se opõe a Pedro como um falso apóstolo sob Simão; Assim como esta luta foi transplantada para Roma, também surgiu em uma data precoce à lenda da atividade de Pedro nessa capital (assim, em Baur, "Paulus", 2ª ed., 245 sqq., Seguido por Hase e especialmente Lipsius, Die quellen der römischen Petrussage, "Kiel, 1872). Mas esta hipótese é provada fundamentalmente insustentável por todo o caráter e importância puramente local do Ebionitismo, e é diretamente refutada pelos depoimentos genuínos e inteiramente independentes acima, que são pelo menos mais antigos. Além disso, foi agora inteiramente abandonado por historiadores protestantes sérios (cf., por exemplo, as observações de Harnack em “Gesch. Der altchristl. Literatur”, II, i, 244, n.2). Uma tentativa mais recente foi feita por Erbes (Zeitschr. Fur Kirchengesch., 1901, pp. 1 sqq., 161 sqq.) para demonstrar que São Pedro foi martirizado em Jerusalém. Apela aos atos apócrifos de São Pedro, nos quais dois romanos, albinos e agripas são mencionados como perseguidores dos apóstolos. O que ele identifica com o albino, procurador da Judéia e sucessor de Festo e Agripa II, príncipe da Galiléia, e daí em que Pedro foi condenado à morte e sacrificado por este procurador em Jerusalém. A inabilidade desta hipótese é imediatamente aparente do simples fato de que nosso primeiro testemunho definitivo sobre a morte de Pedro em Roma antecede os Atos apócrifos; Além disso, nunca em toda a extensão da antiguidade cristã alguma cidade além de Roma foi designada como o lugar do martírio de São Pedro e Paulo.

Embora o fato da atividade e morte de São Pedro em Roma esteja tão claramente estabelecido, não temos informações sobre os detalhes de sua estadia romana. As narrativas contidas na literatura apócrifa do segundo século sobre o suposto conflito entre Pedro e Simão o Mago pertencem ao domínio da lenda. Das declarações acima mencionadas para a origem do Evangelho de São Marcos, podemos concluir que Pedro trabalhou por um longo período em Roma. Esta conclusão é confirmada pela voz unânime da tradição que, já na segunda metade do segundo século, designa o Príncipe dos Apóstolos o fundador da Igreja Romana. É amplamente defendido que Pedro fez uma primeira visita a Roma depois de ter sido milagrosamente libertado da prisão em Jerusalém; Que, por “outro lugar”, Lucas quis dizer Roma, mas omitiu o nome por motivos especiais. Não é impossível que Pedro tenha feito uma jornada missionária para Roma nesse tempo (depois de 42 dC), mas essa jornada não pode ser estabelecida com certeza. De qualquer modo, não podemos apelar para sustentar esta teoria para os avisos cronológicos em Eusébio e Jerônimo, uma vez que, embora esses avisos se estendam de volta às crônicas do terceiro século, não são tradições antigas, mas o resultado de cálculos com base de listas episcopais. Na lista romana dos bispos que datam do segundo século, havia  introduzido no terceiro século (como aprendemos de Eusébio no “Cronógrafo de 354”), o aviso do pontificado de vinte e cinco anos para São Pedro, mas não somos capazes de rastrear sua origem. Esta entrada fortalece consequentemente, a hipótese de uma primeira visita de São Pedro a Roma após a sua libertação da prisão (cerca de 42 dC). Por conseguinte, podemos admitir apenas a possibilidade de uma visita tão precoce à capital.

A tarefa de determinar o ano da morte de São Pedro é acompanhada de dificuldades semelhantes. No quarto século, e mesmo nas crônicas do terceiro, encontramos duas entradas diferentes. Na “Crônica” de Eusébio, o décimo terceiro ou décimo quarto ano de Nero é dado como o da morte de Pedro e Paulo (67-68); Esta data, aceita por São Jerônimo, é geralmente aceita. O ano 67 também é apoiado pela afirmação, também aceita por Eusébio e Jerônimo, que Pedro veio a Roma sob o imperador Claudio (de acordo com Jerônimo, em 42) e pela tradição acima mencionada do episcopado de vinte e cinco anos de Pedro (ver Bartolini, "Sopra l'anno 67, se fosse o do martírio do glorioso Apostoli", Roma, 1868). Uma declaração diferente é fornecida pelo “Cronógrafo de 354” (ed Duchesne, "Liber Pontificalis", I, 1 sqq.). Isso se refere à chegada de São Pedro em Roma ao ano 30 dC, e sua morte e a de São Paulo em 55.



Fonte: New advent - St. Peter, Prince of the Apostles



Nenhum comentário:

Postar um comentário