quinta-feira, 29 de junho de 2017

A apostasia dos Papas pós Vaticano II


                     "Roma perderá a fé e tornar-se-á a sede do anticristo" - Profecia de Nossa Senhora de La Salette.                 

                                           Minha auto-designada tarefa é manter vivo o conhecimento da

Pope with broken cross

conspiração judaico-maçônica que engoliu

e subverteu a humanidade .

Muitos clássicos como The Broken Cross de Piers Compton

foram esquecidos.

De acordo com Piers Compton, o papado foi na verdade

subvertido pelos Illuminati em 1958, quando João XXIII, tornou-se Papa.

  Este foi o ponto culminante de uma campanha de 200 anos

para infiltrar e destruir a Igreja Católica.

O objetivo era “a completa aniquilação do catolicismo e, até mesmo, do cristianismo”.

Isso tem ocorrido diante de nossos olhos.



Quando chegar a hora de destruir a corte papal ... nós devemos avançar sob o disfarce de seus defensores ... Por esse desvio, penetramos nas suas próprias entranhas e asseguramos que nunca mais sairemos até que tenhamos corroído toda a força deste lugar”. Protocolos dos Sábios de Sião – 17


Por Henry Makow


No ano novo de 2004, o ex-papa João Paulo II pediu uma “nova ordem mundial ... com base nos objetivos das Nações Unidas”.

Quando um líder mundial usa essa terminologia, isso só pode significar uma coisa. Ele faz parte da conspiração luciferiana para criar um governo mundial totalitário.

De acordo com Piers Compton, o Papado foi realmente subvertido pelos Illuminati em 1958, quando João XXIII se tornou Papa. Este foi o ponto culminante de uma campanha de 200 anos para se infiltrar e destruir a Igreja Católica.

Piers Compton (1903-1986) foi o editor literário do Catholic Weekly The Universe por 14 anos. Ele documenta suas reivindicações em The Broken Cross, (1981), um livro que é quase impossível de encontrar porque foi misteriosamente retirado algumas semanas após sua liberação. 


broken-cross.jpg

Compton traça a fase moderna da Conspiração Luciferiana para Adam Weishaupt que estabeleceu os Illuminati em 1 de maio de 1776.

“[Weishhaupt] foi apoiado financeiramente, como são quase todos os líderes anarquistas, por um grupo de banqueiros da Casa dos Rothschild. Foi sob a direção deles que os planos de longo alcance e mundiais dos Illuminati foram elaborados”.

Em 1783, os Illuminati assumiram o controle de grande parte da Maçonaria, que coordenou secretamente o movimento revolucionário (liberalismo, socialismo e comunismo). Segundo David Bay, sociedades secretas como o “Skull and Bones” sempre funcionaram como a igreja de Satanás, como a única maneira de passar o bastão de geração em geração ".

Os Illuminati consideravam a Igreja Católica como seu principal inimigo e marcaram a sua ruína. Em 1818, sua Loja italiana emitiu um conjunto de Instruções Permanentes que incluiu: “Nós exigimos um Papa para nós mesmos ... para marchar de forma mais segura para o assalto da igreja ...”

O objetivo era “a completa aniquilação do Catolicismo e, até mesmo, do Cristianismo. Se o Cristianismo devesse reviver, mesmo nas ruínas de Roma, seria um pouco mais tarde, reviver e viver”.

 
PAPA LEÃO XIII


Em uma encíclica de 8 de dezembro de 1892, o papa Leão XIII identificou dois reinos. “Único é o reino de Deus na terra, a saber, a verdadeira Igreja de Jesus Cristo, e aqueles que desejam de coração se unirem a ele ... O outro é o reino de Satanás ... aqueles que se recusam a obedecer a lei divina e eterna, e que tem muitos objetivos próprios em desprezo de Deus, e muitos objetivos também contra Deus”.

Ao longo da história, eles estiveram em conflito.

"No entanto, neste período, os partidários do mal parecem se combinar e estão lutando com uma veemência unida, liderada ou assistida por essa associação fortemente organizada e difundida chamada Maçonaria. Já não fazem nenhum segredo de seus propósitos, eles agora estão corajosamente se levantando contra o próprio Deus”.

Ironicamente, quando Leo XIII morreu em 1903, um Maçom, o Cardeal Mariano Rampolla, quase foi eleito Papa. O imperador Franz Joseph da Áustria vetou sua nomeação no último momento. .

Os Iluministas tiveram que esperar outros 55 anos para ganhar o controle do Papado. Quando o Papa Pio XII morreu em 1958, um cardeal Maçom, Angello Roncalli, tornou-se o Papa João XXIII.

Previsivelmente, seu primeiro ato foi começar a remover o elemento da Revelação Divina do ensino católico e abraçar o naturalismo, materialismo e comunismo. Essas etapas foram tomadas no Concílio Ecumênico Vaticano II de 1962 até 1965.

Como resultado, Malachi Martin, um ex-jesuíta, previu que a Igreja Católica Romana não seria mais reconhecível até o ano 2000. “Não haverá controle centralizado, nem uniformidade no ensino, nem universalidade na prática e adoração, oração, sacrifício e sacerdócio.”

PAPA PAULO VI

 paul-vi.jpg

Paulo VI revelou suas verdadeiras cores em um discurso às Nações Unidas em 1965: “É sua tarefa aqui proclamar os direitos e deveres básicos do Homem. Vocês são os intérpretes de tudo o que é permanente na sabedoria humana; quase podemos dizer do que é seu caráter sagrado”.

Este repúdio à autoridade espiritual da igreja foi simbolizado pelo presente de Paulo, o Anel Papal e sua Cruz Peitoral ao secretário-geral U Thant, que os vendeu em leilão. 

As Nações Unidas foram criadas em terra doada pelos Rockefeller como uma frente para a ditadura luciferiana da elite. Sua Carta foi baseada na Constituição da Rússia Soviética e seus líderes eram comunistas. Sua Capela é dedicada ao paganismo e dirigida pelo Lucis Trust (anteriormente Lucifer Trust) que também administra todas as suas publicações.


A CRUZ QUEBRADA


Paulo VI também abraçou um símbolo sinistro usado pelos satanistas no século VI, que foi revivido pelo Vaticano II.

Esta era uma cruz dobrada ou quebrada (acima) na qual se mostrava uma figura repulsiva e distorcida de Cristo. Magos e feiticeiros negros na Idade Média o usaram para fins ocultos. Representava a “Marca da Besta”.

Compton: “No entanto, não só Paulo VI, mas também seus sucessores, os dois Joãos Paulos, levaram esse objeto e o consideraram reverenciado por multidões que não tinham a menor ideia de que representava o anticristo”.

Paulo VI aboliu o juramento antimodernista, o Índice de livros proibidos e revisou as leis canônicas. História e textos escritos de um ponto de vista predominantemente católico foram reeditados. Ele incentivou teólogos “humanistas” como Edward Schillebeeck que ensinava que “o homem mais honesto e natural era aquele que não acreditava em nada”.

Em 1976, o jornal Borghese imprimiu uma lista de 125 clérigos superiores que eram maçons, em contravenção com as leis da Igreja. Incluía as datas das iniciações e o secreto código de nomes retirados do Registro Italiano de Sociedades Secretas. Compton imprime a lista, que inclui os chefes da rádio e imprensa do Vaticano, a educação católica, bem como numerosos altos funcionários, cardeais e arcebispos.

Porque Paulo VI era o Papa, nada se soube disso. Soando muito como o Maçom que ele era, Paulo disse em 1969: “Estamos prestes a testemunhar uma maior liberdade na vida da Igreja ... menos obrigações e menos proibições internas. As disciplinas formais serão reduzidas ... todas as formas de intolerância será abolida.”

Esta atitude é explicada por relatos de que, desde 1936-1950, o futuro Paulo VI fazia parte de uma rede de espionagem comunista, participante de uma cadeia de bordéis e financiava filmes eróticos.


OS PAPAS JOÃO PAULO I E II


Albino Luciano, o cardeal de Veneza, tornou-se o papa João Paulo I em 26 de agosto de 1978. Ele também era “um comprometido com a extrema esquerda”, mas ele pode ter impugnado os desonestos financeiros do Vaticano e morreu um mês depois. Não houve autópsia.

O Papa João Paulo II, Karol Wojtyla, o sucedeu. Wojtyla é o primeiro não italiano desde 1522, e o único Papa de um país da Cortina de Ferro. Compton observa que, enquanto o outro cardeal polonês Wyszynski “nunca cedeu uma polegada” aos comunistas, Wojtyla se opôs a essa atitude e colaborou. O abade de Nantes exclamou: “Temos um papa comunista”. 

Pope-JohnPaul-II-featured.jpg

Durante o Conclave no qual foi eleito, Wojtyla leu de um livro de princípios marxistas. Em sua primeira encíclica, ele elogiou Paulo VI por ter “revelado o verdadeiro semblante da Igreja” e fazê-la se adaptar  “aos tempos”. Ele chegou a dizer que os opositores do Vaticano II “não podem ser considerados fiéis”.

Em uma carta de 1º de setembro de 1981, ele disse: “A tradição cristã nunca sustentou o direito da propriedade privada como absoluta e intocável”. Isso contradiz numerosas encíclicas que afirmam que a propriedade privada é “um incentivo necessário para a empresa humana” e está de acordo com a sabedoria divina e as leis da natureza.

O Papa Pio XII: “Somente a propriedade privada pode fornecer ao chefe de uma família com a liberdade saudável que exige para desempenhar os deveres que lhe são atribuídos pelo Criador pelo bem-estar físico, espiritual e religioso da família”.

O comunismo (toda propriedade é do estado) é uma fachada pela qual os banqueiros e os capitalistas monopolistas terão tudo.

Em 27 de novembro de 1983, o Papa João Paulo II emitiu uma Bula Papal que legalizava a sociedade secreta para os católicos romanos.

Em 1960, ele publicou um livro “Amor e Responsabilidade” que exaltava o amor sexual e descreve a fisiologia e a psicologia do sexo. Ele disse em uma audiência da juventude francesa: “A união corporal sempre foi a linguagem mais forte que duas pessoas podem ter um para a outra”.


CONCLUSÃO


Escrevendo a partir do ponto de vista de 1981, Compton previu que as posições tradicionais da Igreja continuarão a ser diluídas.

malachi1.JPG
Jesuíta Malachi Martin

Ao mesmo tempo, Malachi Martin disse: “A Igreja cristã está em decadência, não tem nada mais a dizer e está a caminho”. Ele previu: “Uma religião mundial com uma estrutura e instituições, gerenciada por uma grande burocracia. E daí surgirá o último desastre”.

Eu apresento esse material porque é consistente com a imagem emergente de uma conspiração satânica organizada para subverter a humanidade.

Somente nessa luz podemos identificar as iscas do mundo moderno - o materialismo, a mistificação do amor sexual e a engenharia social associada ao feminismo, ao sionismo, aos direitos dos homossexuais, à tolerância e à diversidade - como parte de um processo diabólico de escravização espiritual, mental e física.

A sociedade ocidental “moderna” parece estar baseada nesta conspiração contra Deus. Nossos líderes culturais e políticos são principalmente suspeitos ou cúmplices involuntários.

Eventualmente, vamos aprender que a verdadeira liberdade reside em obedecer a Deus. A alternativa é tornar-se escravo de Lúcifer. A barbárie do século passado não era uma aberração, mas um presságio do futuro.


Fonte: Henry Makow - Is the Pope a Catholic?







Nenhum comentário:

Postar um comentário