sexta-feira, 21 de outubro de 2016

" O Transgênero é uma doença mental "

Paul-McHugh


A “loucura”do transgênero, atualmente promovida pela mídia controlada como “a próxima fronteira dos direitos civis” é na verdade uma doença mental e sua promoção está cooperando com transtornos mentais, disse o ex-chefe da Psiquiatria do Hospital John Hopkins.


Dr. Paul R. McHugh, que atualmente se encontra como Distinto Professor de Psiquiatria no hospital de fama mundial, também disse que a mudança de sexo é “biologicamente impossível” e que os médicos que “promovem a cirurgia de realocação sexual, estão colaborando com a promoção de um transtorno mental.”

Além disso, ele disse, que a “transexualidade é um distúrbio mental que merece um tratamento”, como a sociedade também é tratada para outros transtornos mentais, e não deve ser tratada pelos meios de comunicação ou pela  profissão médica na forma que está sendo.

Dr. McHugh, que é o autor de seis livros e pelo menos 125 artigos médicos, fez as declarações em um artigo no Wall Street Journal intitulado “Cirurgia Transgênero não é a solução”, no qual explicou que a cirurgia transexual não é a solução para as pessoas que sofrem de “transtorno da suposição” - a ideia de que a sua masculinidade ou feminilidade é diferente do que a natureza tem atribuído biologicamente.


Em apoio do seu ponto de vista, ele se referiu a um estudo recente que mostrou que a taxa de suicídio entre as pessoas “transgênero” que foram submetidos a cirurgia de mudança de sexo é 20 vezes maior do que a taxa de suicídio entre as pessoas normais.

Dr. McHugh também observou estudos na Universidade de Vanderbilt e da Clínica Portman em Londres que, das crianças que haviam expressado sentimentos transgênero, no final, 70-80% tinham espontaneamente perdido esses sentimentos - implicando que grande parte deste “transexualismo” era, na verdade, cultivados por adultos que projetam estes sentimentos nas crianças.

“Enquanto o governo de Obama, Hollywood e os principais meios de comunicação ,como a revista Time, promove a transexualidade como normal”, disse o Dr. McHugh, esses “políticos e os meios de comunicação não estão fazendo nenhum favor, seja público ou para o transgênero tratando sua confusão como um direito a ser defendido e não como um transtorno mental que merece compreensão, tratamento e prevenção”.

“Essa profunda sensação de ser transgênero é um transtorno mental em dois aspectos. A primeira é que a ideia de desalinhamento sexual é simplesmente errada - que não corresponde com a realidade física. O segundo é que pode conduzir a resultados psicológicos sombrios”.

O distúrbio transexual, disse o Dr. McHugh está na “suposição” da pessoa que são diferentes da realidade física de seu corpo, de sua masculinidade ou feminilidade, conforme atribuído pela natureza. É um transtorno semelhante a uma pessoa que sofre anorexia “extremamente magra” que se vê no espelho e pensa que está com “sobrepeso”, disse o Dr. McHugh.

Este suposto, que o gênero de um está apenas na mente, independentemente da realidade anatômica, já levou algumas pessoas transexuais a pressionar pela aceitação social e a afirmação da sua própria e subjetiva “verdade pessoal”, disse o Dr. McHugh.

Como resultado, alguns estados - Califórnia, Nova Jersey e Massachusetts - aprovaram leis que proíbem os psiquiatras, mesmo com autorização dos pais, o esforço para restaurar os sentimentos naturais do gênero a um menor transgênero, disse ele.

Os defensores dos transexuais não querem saber, disse McHugh, que os estudos mostram que entre 70 e 80% das crianças que expressam sentimentos transgênero “espontaneamente perdem os sentimentos” ao longo do tempo.

Além disso, para aqueles que foram submetidos a cirurgia de realocação sexual, a maioria disse que eles estavam “satisfeitos” com a operação ", mas os posteriores ajustes psicossociais não eram melhores do que aqueles que não tiveram a cirurgia.”

“E assim, Hopkins parou de fazer a cirurgia de “mudança de sexo”, já que desde a produção de um “satisfeito”, o paciente continua preocupado e parecia um motivo insuficiente para amputar cirurgicamente os órgãos naturais”, disse o Dr. McHugh.

O ex-chefe do Johns Hopkins da psiquiatria também alertou contra permitir ou incentivar certos subgrupos de transexuais, como jovens, “suscetíveis a sugestão de “ tudo é normal”, educação sexual e “conselheiros” “da diversidade das escolas que, como “os líderes de culto,” pode "incentivar estes jovens a se distanciar de suas famílias e oferecer conselhos sobre rebater argumentos contra fazer a cirurgia transexual”.

Dr. McHugh também informou que há “médicos errados” que, trabalham com crianças muito pequenas que parecem imitar o sexo oposto, a administrando de “hormônios da puberdade, atrasando a cirurgia para mudar de sexo posteriores  menos onerosa, apesar das drogas freiarem o crescimento e o risco das crianças ficarem estéreis.”
Esta ação vem  cerca “o abuso de crianças”, disse o Dr. McHugh, uma vez que cerca de 80% dessas crianças “deixam a sua confusão e crescem naturalmente na idade adulta se não tratada.”

“É biologicamente impossível” a mudança de sexo, disse McHugh. “As pessoas que se submetem à cirurgia de mudança de sexo não mudam de masculino para feminino ou vice-versa. Em vez disso, eles se tornam homens ou mulheres masculinizadas ou feminizados. Dizer que esta é uma questão de direitos civis e incentivar a cirurgia é realmente para colaborar e promover um transtorno mental”.


Fonte: New Observer On Line - "Transgender" is a Mental Illness and Shoud Be Treated a such: Former John Hopkins Chief Psychiatrist

Nenhum comentário:

Postar um comentário