quarta-feira, 11 de outubro de 2017

12 de Outubro: Dia de Nossa Senhora Aparecida

Roma de Sempre



Em 1717, através de três pescadores, a Santíssima Virgem manifesta seu amor maternal para com a Terra de Santa Cruz. Numa pescaria que se mostrava fracassada, os pescadores Domingos Garcia, João Alves e Felipe Pedroso rezaram para que a Virgem intercedesse por eles junto a Deus.

A pescaria parecia continuar sem resultado até que João Alves joga a rede e ao invés de peixe, traz o corpo da imagem da santa sem a cabeça. A rede é arremessada pela segunda vez e vem a cabeça da imagem.  A partir daí os pescadores pegaram tanto peixe que tiveram que interromper a pescaria para que suas embarcações não se rompessem com o peso. Eis o primeiro de milhares de milagres.


Um caso bastante comovente foi o do escravo Zacarias em 1850, que, ao passar pela igreja onde estava a imagem entrou e rezou tão fervorosamente que as correntes, milagrosamente, se soltaram dos seus pulsos. 

Na nossa peregrinação terrestre temos que enfrentar o ódio dos filhos da serpente infernal que destilam ódio contra a Mãe de Deus e a todos que se colocam sobre o seu amparo, mulher que o próprio Deus destinou para esmagar a cabeça de Satã (Gen. 3,15). Dia 12 de Outubro é um dia santo e de guarda, pois a Santa Sé estabeleceu esse dia para professarmos publicamente nossa fé e devoção a Nossa Senhora de Aparecida como padroeira do Brasil.

O dia 12 de Outubro como “dia das crianças” é uma data inventada em 1924 pelo deputado Galdino do Valle Filho, já é o início de uma ideia de obscurecimento da fé pela secularização da data desviando a atenção do seu caráter sagrado. Na década de 1960, por pressão da indústria de brinquedo (Estrela e Johnson & Johnson) que, para alavancar seus ganhos, consegue transformar a data em comemorativa com a consequente profanação do dia santo com lazeres, diversões, festas e livre comércio.

Nesse tempo em que impera o modernismo em lugar da sã doutrina da salvação, é sempre bom alertar aos verdadeiros católicos sobre a necessidade de cumprir o preceito do dia frequentando o culto público, com orações, piedade e recolhimento, principalmente nesse tempo laicista que pretensiosamente quer apagar tudo que nos remete à verdadeira fé, por um Brasil sem aborto e livre do julgo do comunismo ateu e genocida, que evitemos o pecado mortal pela violação do 3º mandamento, renunciando tudo que não glorifique esse dia.

Invoquemos por Nossa Senhora Aparecida que ela proteja o Brasil dos embustes e ciladas do demônio e que, assim como fez com o escravo Zacarias, quebre as correntes que nos mantêm escravos do mundo.

Um comentário:

  1. 3.2 - Dias santos de guarda

    “Dias de festa”, “dias de preceito”, “festas de preceito” ou, como se diz, “dias santos de guarda”, são dias em que “os fiéis têm obrigação de participar da Missa e devem absterse das atividades e negócios que impeçam o culto a ser prestado a Deus, a alegria própria do Dia do Senhor e o devido descanso do corpo e da alma” (cân. 1247)
    O domingo é o dia de festa por excelência, em toda a Igreja. No Brasil, além do domingo, são festas de preceito os dias: do Natal do Senhor Jesus Cristo (25 de dezembro); do SS. Corpo e Sangue de Cristo (quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade); de Santa Maria Mãe de Deus (1 de janeiro); da Imaculada Conceição de Nossa Senhora (8 de dezembro).
    As celebrações da Epifania, da Ascensão, da Assunção de Nossa Senhora, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e a de Todos os Santos ficam transferidas para o domingo, de acordo com as normas litúrgicas.

    Retirado do Diretório Litúrgico da CNBB de 2017 p.17

    ResponderExcluir